Nivel de seguridad y empoderamiento de los defensores de derechos humanos

 

Nivel de seguridad y empoderamiento de los defensores de derechos humanos en Mexico

 

La impunidad se ha convertido en la causa y el efecto de la inseguridad general de los defensores de derechos humanos en México.

La impunidad alimenta la criminalización de los defensores vinculados a sus actividades legítimas de derechos humanos, lo que a su vez alimenta el miedo entre la sociedad civil en general, debilitando las aspiraciones generales de los derechos humanos y el Estado de Derecho.

La mejor forma de protección que pueden tener los defensores es cuando se hace justicia y los perpetradores son llamados a rendir cuentas.

Elevados los Niveles de inseguridad y de violencia que enfrentan las personas defensoras en el país, en un complejo contexto marcado por el crimen organizado, la corrupción y la represión estatal.
La situación de los defensores de derechos humanos está condicionada por la criminalización de sus actividades a través del uso indebido y deliberado del derecho penal y la manipulación del poder punitivo, tanto por actores estatales como no estatales, para impedir y hasta evitar las legítimas actividades de los defensores para promover y proteger los derechos humanos.

También es preocupante el uso de arrestos y detenciones arbitrarias como instrumento para silenciar voces disidentes y frenar movimientos sociales. En muchos casos, se criminaliza a quienes defienden derechos humanos por denunciar violaciones cometidas por las autoridades y enfrentan represalias indirectas a través de atentados o procesos penales dirigidos contra sus familias o personas cercanas.

El 98% de los crímenes en México no son resueltos. La tasa ínfima de investigaciones exitosas y de resolución de crímenes cometidos contra defensores de derechos humanos ha generado una sensación de impunidad generalizada.

La falta de investigación y sanción de los agresores envía un peligroso mensaje de que no hay consecuencias por cometer tales crímenes. Esto crea un entorno propicio para la repetición de violaciones.

Sólo uniendo esfuerzos México será capaz de superar los obstáculos y riesgos que actualmente enfrentan quienes defienden los derechos humanos, para así protegerlos efectivamente y con ello, la fundamental labor que realizan para una sociedad democrática.

Jota terno 2016_BJacob J. Lumier

Movimiento de los Derechos Humanos
FIN

Relatora Especial das Nações Unidas sobre questões das minorias faz visita ao Brasil

GENEBRA (09 de setembro de 2015) – A Relatora Especial das Nações Unidas sobre questões das minorias, Rita Izsák, inicia uma visita ao Brasil do 14 ao 24 de setembro de 2015, para identificar e avaliar as principais questões que enfrentam as minorias étnicas, religiosas e linguísticas no país.

“Sendo um país diverso que acolhe um grande número de grupos de minorias, o Brasil enfrenta uma série de desafios que requerem atenção. No entanto, é essa mesma diversidade que torna a sociedade brasileira tão dinâmica e vibrante” disse a Sra. Izsák.

A Sra. Izsák, que visita o Brasil a convite do Governo, vai viajar para Brasília e para outras localidades, incluindo o Rio de Janeiro, e para os Estados de São Paulo e da Bahia. Ela vai se reunir com o governo e com funcionários da ONU, diversas organizações da sociedade civil e de direitos humanos e outros atores não estatais, incluindo aqueles que trabalham sobre questões de minorias, inclusão social, e sobre temas relativos à promoção da igualdade e da não discriminação. Ela vai também visitar comunidades minoritárias, incluindo quilombos, para ouvir diretamente delas quais são seus problemas e suas preocupações.

“Este é um momento oportuno e crucial para conversar com todos os atores, de forma a considerar não apenas os desafios atuais, mas também para identificar iniciativas positivas tomadas pelo governo, pela sociedade civil e pelos líderes comunitários, para promover a união, a não discriminação, a paz e a compreensão entre os grupos”, disse a Sra. Izsák.

“O Brasil também tem tido um papel de destaque no que se refere a dados recolhidos sobre origem étnica e políticas de ação afirmativa, portanto eu estou muito interessada em aprender sobre essas boas práticas que podem ser replicadas em outros países,” acrescentou a Sra. Izsák.

A Sra. Izsák fará uma declaração aos meios de comunicação e realizará uma conferência de imprensa em Brasília no final de sua visita na quinta-feira 24 de setembro de 2015, na Casa da ONU em Brasília, às 14:00.

Após sua visita, a Relatora Especial apresentará um relatório detalhado com suas conclusões e recomendações ao Governo e ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Março de 2016.

FIM

A Sra. Rita Izsák (Hungria) foi nomeada Experta Independente sobre as questões das minorias pelo Conselho de Direitos Humanos em junho de 2011 e, posteriormente, seu mandato foi renovado como Relatora Especial sobre as questões das minorias, em março de 2014. Ela é encarregada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU de promover a implementação da Declaração sobre os Direitos das Pessoas Pertencentes a Minorias Nacionais ou Étnicas, Religiosas e Linguísticas, entre outras responsabilidades.  Para mais informações, consulte: http://www.ohchr.org/EN/Issues/IPeoples/SRIndigenousPeoples/Pages/SRIPeoplesIndex.aspx
Os relatores especiais fazem parte do que se conhece como procedimentos especiais do Conselho de Direitos Humanos. Procedimentos Especiais, o maior corpo de especialistas independentes no sistema de direitos humanos das Nações Unidas, é o nome atribuído aos mecanismos de inquérito e monitoramento independentes do Conselho, que trabalha sobre situações específicas de cada país ou questões temáticas em todas as partes do mundo. Os especialistas dos Procedimentos Especiais trabalham a título voluntário; eles não são funcionários da ONU e não recebem um salário pelo seu trabalho. São independentes de qualquer governo ou organização e prestam serviços em caráter individual.

Consulte a Declaração da ONU sobre os Direitos das Pessoas Pertencentes a Minorias Nacionais ou Étnicas, Religiosas e Linguísticas: http://www.ohchr.org/EN/ProfessionalInterest/Pages/Minorities.aspx

Voz de los Movimientos No. 126.

Voz de los Movimientos No. 126

(08/09/2015)

-. A finales de agosto, en Belén de Pará (Brasil) se desarrolló la Conferencia sobre Financiarización de los Recursos Naturales, en la que diversas organizaciones y movimientos alertan sobre esta realidad de mercantilización externa de la naturaleza.

  • [La financiarización de la naturaleza ocurre a partir de la negación de los derechos de los pueblos de decidir sobre el uso y convivencia en sus territorios, y de la reforma de la legislación y centralización del mercado como entidad promotora de las políticas ambientales].

En el norte del Cauca, Colombia, se realizó el Sakelu, un ritual mayor sagrado del pueblo Nasa, que significa la liberación de la Madre Tierra en la que participaron miles de comuneros de diferentes sectores y donde se recupera la tradición y la cultura. -.

Al sur de Costa Rica el pueblo Indígena Bribri es víctima del saqueo, agresión y muerte, por parte de los finqueros.  La fiscalía local no atiende las denuncias de amenazas y exclusión, ni se respetan las medidas cautelares provistas por la CIDH.

Ud. puede descargar este programa o escucharlo en línea en: http://radioteca.net/audio/voz-de-los-movimientos-no126/

Guatemala: Expertos de la ONU Llaman a Garantizar el Respeto al Estado de Derecho

7 August 2015

GUATEMALA: EXPERTOS DE LA ONU LLAMAN A PREVENIR MÁS RETRASOS Y A GARANTIZAR EL RESPETO AL ESTADO DE DERECHO EN EL REINICIO DEL JUICIO POR GENOCIDIO 

NUEVA YORK /  GINEBRA (Se distribuye como se recibió)  – Dos expertos de Naciones Unidas para la prevención de genocidio y la justicia transicional llamaron hoy a las autoridades judiciales guatemalteca a “prevenir cualquier intento de interferencia, obstrucción de la justicia o manipulación de la ley” en el marco del reinicio del juicio por genocidio contra el ex Jefe de Estado de facto Efraín Ríos Montt y el ex Jefe de Inteligencia de Guatemala José Mauricio Rodríguez Sánchez . 

La petición por parte del Asesor Especial de la ONU para la Prevención de Genocidio, Adama Dieng, y el Relator Especial sobre justicia transicional, Pablo de Greiff, surge en reacción a la decisión de un tribunal guatemalteco de reiniciar, en enero de 2016, el juicio contra Ríos Montt y Rodríguez Sánchez, acusados de genocidio y crímenes de lesa humanidad por violaciones a los derechos humanos cometidas contra la población Maya Ixil entre los años 1982 y 1983. Informes estiman que 200,000 personas fueron asesinadas o desaparecieron durante el conflicto armado interno en Guatemala (1960-1996).

“Las estrategias dilatorias, el uso abusivo de los recursos judiciales y las alegadas amenazas y presiones contra jueces y fiscales encargados del caso, que han caracterizado el juicio por genocidio, revelan serias fallas en la administración de la justicia en Guatemala”, señalaron los expertos de la ONU.

Los expertos de derechos humanos cuestionaron la decisión de la Corte de aplicar un procedimiento especial, en razón del estado de salud mental de Ríos Montt, el cual deberá ser  representado por un tutor y las audiencias serán a puertas cerradas. No queda claro por qué este procedimiento se aplicaría a ambos acusados, cuando sólo Ríos Montt ha sido declarado incompetente. En cualquier caso, los derechos al debido proceso de ambos acusados deben ser observados y el estado de salud de Ríos Montt debe ser tomado en consideración. 

“Se podría haber evitado esta situación, si la justicia hubiera cumplido sus funciones de forma efectiva y diligente”, recalcaron los expertos.

Mientras algunas causas judiciales han avanzado, siguen pendientes muchos casos de violaciones manifiestas de los derechos humanos y violaciones graves del derecho internacional humanitario ocurridas durante el período del conflicto.

(…)

Texto completo aqui.

Organizaciones Campesinas

Ícone+legenda SSF_RIOpeqMovimientos sociales campesinos en marcha mediante campañas temáticas con propuestas para interpelar en instancias de la CELAC y UNASUR.

***

El colectivo del VI Congreso Continental de la Coordinadora Latinoamericana de Organizaciones del Campo, CLOC- VC, dio a conocer en una conferencia de prensa el proceso que se inicia para culminar en abril del 2015 en Bs As Argentina.

Desde el 22 de abril se encuentran reunidos en Bs As, delegados y delegadas de las 5 regiones que conforman la CLOC VC para organizar y lanzar el camino hacia el VI Congreso continental que será presidido por la IV Asamblea de la Juventud y la V Asamblea continental de mujeres. Este hecho histórico para el campesinado se llevara a cabo del 10 al 17 de abril del próximo año.

El VI Congreso será el cierre de un proceso de debates-acciones sobre la política para los próximos 4 años, desde cada organización miembro, en cada comunidad, continuando en instancias nacionales y luego regionales. El mismo tendrá un carácter masivo, esperando la presencia de más de mil delegados, 700 de ellos de las regiones del continente.

Los ejes que se trabajarán serán: Análisis de la coyuntura política y agraria del continente y del mundo; ratificación de nuestro horizonte socialista, definiendo cuales serán nuestros desafíos y las tareas concretas del sector campesino en la coyuntura actual; fortalecimiento de nuestras propuestas en cuanto a reforma agraria popular, soberanía alimentaria, educación, salud, políticas públicas, etc., mediante campañas temáticas con propuestas para interpelar en instancias de la CELAC y UNASUR, entre otros espacios.

“Vendrán aquí la representación de las organizaciones campesinas de mayor peso político del continente, traerán sus luchas de resistencia, procesos y continuidades en la lucha por la tierra y la dignidad para alimentar a los pueblos, con nuestras campañas permanentes contra la criminalización, campañas de solidaridad internacional, contra la Violencia hacia las mujeres y contra los Agrotóxicos”-

 

Conferencia de prensa por el lanzamiento del VI Congreso Continental de la CLOC-VC (video)

 

 

Brasil: Sem terra assassinado e condenados impunes

Ícone+legenda SSF_RIOpeq

Brasil, Noroeste do Paraná

Assassinato do trabalhador sem-terra Sebastião Camargo completa 16 anos e culpados continuam impunes

Caso Sebatião Camargo
Apesar de já terem sido realizados quatro julgamentos e três condenações de envolvidos no crime, as decisões não são definitivas, já que os recursos apresentados ainda não foram julgados. Todos os condenados ainda estão em liberdade.

O dia 7 de fevereiro de 1998 ainda não tinha clareado nos barracos de lona fincados na Fazenda Boa Sorte quando as famílias acampadas ouviram chegar carros e caminhões. Mais de 40 homens armados com escopetas calibre 12, encapuzados e vestidos com camisas pretas desceram dos veículos. Foram lá determinados a despejar ilegalmente as 70 famílias sem terra que ocupavam as terras improdutivas da fazenda Boa Sorte, em Marilena, Noroeste do Paraná.

Neste dia, há 16 anos, foi morto com um tiro na cabeça o agricultor Sebastião Camargo Filho, pai de cinco filhos. O sem terra é uma das vítimas da ação milícias armadas no campo, com graves suspeitas de participação direta da União Democrática Ruralista – UDR, durante governo Jaime Lerner, 1995 a 2002. Outras 16 pessoas foram assassinadas neste período, sendo a maioria dos casos ligados a despejos ilegais em ocupações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST.

Demorou, mas os principais acusados de participação no crime já foram julgados e condenados. Em novembro de 2013 o ruralista Marcos Menezes Prochet, ex-presidente da UDR, recebeu condenação de 15 anos e 9 meses de reclusão em regime inicialmente fechado como autor do disparo que vitimou Sebastião Camargo.

Em comparação com outros crimes cometidos contra trabalhadores sem terra, a justiça no caso da morte de Sebastião Camargo já deu alguns passos, mas ainda está longe de se concretizar. Apesar de já terem sido realizados quatro julgamentos e três condenações, as decisões não são definitivas, já que os recursos apresentados pelos advogados de defesas ainda não foram julgados. Todos os condenados ainda estão em liberdade. Em 2011, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA responsabilizou o Estado brasileiro pelo crime. A organização deve novamente se pronunciar sobre o caso neste ano.

Para o advogado popular da Terra de Direitos que acompanha o caso, Fernando Prioste, é fundamental que o Tribunal de Justiça do Paraná julgue com celeridade os recursos e mantenha as decisões condenatórias. Ao longo dos anos de andamento do processo criminal já houve diversas tentativas de adiar e evitar o julgamento, especialmente por parte da defesa de Marcos Prochet.

“O recurso apresentado pelo réu Marcos Menezes Prochet contra da decisão que determinou que ele fosse julgado pelo júri popular foi extraviado por duas vezes enquanto tramitava no Tribunal de Justiça do Paraná. Ainda que os fatos tenham sido denunciados à corregedoria do Tribunal, nenhuma providência satisfatória foi tomada no caso”, afirma Prioste.

A responsabilização penal de envolvidos em crimes contra a vida, inseridos no contexto de luta por direitos, vai para além da restrição da liberdade dos culpados. Na avaliação de Fernando Prioste, efetivar a justiças em casos como o da morte de Sebastião Camargo significa “fortalecer os sujeitos da história no cotidiano da luta, desvelar o papel das instituições e das elites para a sociedade, e evidenciar as contradições deste apenas declarado estado democrático de direito”.

Outros envolvidos

O proprietário da fazenda Boa Sorte à época, Teissin Tina, e o dono da empresa de segurança privada, utilizada para recrutar os jagunços e executar o despejo ilegal, Osnir Sanches, também foram condenados pelo júri popular, em novembro de 2012. O fazendeiro recebeu pena de seis anos de prisão por homicídio simples. Já Sanches foi condenado a 13 anos de prisão por homicídio qualificado.

Augusto Barbosa da Costa, acusado de homicídio doloso no envolvimento no caso, havia sido absolvido pelo júri em fevereiro de 2013, mas em dezembro do mesmo ano o Tribunal de Justiça do Paraná determinou seja submetido a novo julgamento pelo Tribunal do Júri de Curitiba.

O ultimo réu a ser julgado deve ser o ruralista Tarcísio Barbosa de Souza, presidente da Comissão Fundiária da Federação de Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), ligada à Confederação Nacional da Agricultura (CNA). O ruralista é ex-tesoureiro da União Democrática Ruralista (UDR) e ex-vereador em Paranavaí pelo partido Democratas (DEM). A inclusão do integrante da FAEP ocorreu a partir de denúncia do Ministério Público do Paraná somente em julho de 2013, 15 anos após o crime.

Em dezembro de 2013 também foi condenado um dos principais acusados de organizar as milícias armadas no Paraná, o ex-coronel Waldir Copetti Neves. O caso batizado pela Polícia Federal como “Operação Março Branco”, deflagrada em 2005, que desmantelou o esquema de milícias armadas que atuavam em despejos violentos no estado.

Pela realização dos direitos à água e saneamento.

BRASÍLIA / GENEBRA (20 de dezembro de 2013) – A relatora especial das Nações Unidas para o direito à água e saneamento, Catarina de Albuquerque, instou hoje as autoridades brasileiras aos níveis federal, estadual e municipal a dar prioridade aos mais pobres e marginalizados, “para assegurar que a eliminação progressiva das desigualdades no país e que todos tenham acesso a água e saneamento”.

“Ninguém deve ser deixado de lado”, Catarina de Albuquerque afirmou no final da sua primeira missão oficial ao Brasil, destinada a avaliar os progressos e desafios que o país ainda enfrenta na realização dos direitos humanos à água e saneamento.

A perita congratulou-se com os significativos progressos alcançados pelo Brasil na realização dos direitos à água e saneamento. “O recentemente adotado PlanSab é um excelente documento que irá guiar as ações a nível nacional nos próximos 20 anos”, ela afirmou. “Também fiquei positivamente impressionada com os compromissos financeiros na ordem dos 300 bilhões de reais destinados, através do orçamento federal, ao setor.”

“Mas o Brasil é um pais de contrastes”, disse a Relatora Especial. “Fiquei chocada com a miséria que observei e com a falta de acesso ao saneamento por segmentos significativos da população. Trata-se fundamentalmente de pessoas que vivem nas favelas e em áreas rurais.”

“A situação das pessoas nas favelas e nos assentamentos informais  não pode ser esquecida. E, apesar de reconhecer os progressos feitos neste âmbito, a verdade é que ainda existem milhões de brasileiros a viver em situações deploráveis, onde o acesso ao saneamento não passa de um sonho distante.”

“Apesar dos exemplos positivos em termos de participação social no âmbito de alguns dos programas sociais e instituições governamentais, fiquei especialmente impressionada durante o meu contato com muitos brasileiros que repetidamente – nas diferentes regiões que visitei – me disseram que ainda se sentiam invisíveis e esquecidos pelos poderes públicos.”

Catarina de Albuquerque documentou profundas desigualdades no acesso ao saneamento entre as diferentes regiões do país, sendo a região Norte a mais afetada. Enquanto que em Sorocaba (São Paulo) a taxa de tratamento de esgoto é de 93.6%, em Macapá (Amapá) ela é de apenas 5.5%.”

Na área do esgoto, a perita explicou que “a baixa taxa de cobertura não corresponde aos avanços feitos pelo Brasil moderno noutras áreas, já que 52% da população ainda não tem coleta de esgoto e somente 38% do esgoto recolhido é tratado. Esta situação leva muitos a viverem com os seus próprios dejetos à porta de casa.”

“O fato de o Brasil ainda ter 8 milhões de pessoas que praticam diariamente a defecação ao ar livre é inaceitável e constitui uma afronta à dignidade humana. A eliminação da defecação ao ar livre deve ser uma prioridade imediata.”, sublinhou de Albuquerque.

Durante a sua missão, a Relatora Especial, recebeu várias queixas de pessoas sofrendo de diarréia e de outras doenças transmitidas pela água de má qualidade e pela falta de esgoto.

“Outra preocupação de muitas pessoas é o elevado preço das tarifas de água e esgoto, especialmente nos lugares onde estes serviços têm sido delegados em companhias que estão obtendo  elevados lucros”, alertou a relatora. “As pessoas me explicaram sentirem-se sufocadas pelas elevadas contas que são obrigadas a pagar e que representam uma fatia muito significativa do orçamento familiar.”

Eu termino a minha missão ao Brasil com um sentimento doce e amargo, afirmou Sra. de Albuquerque.  “Doce, devido aos progressos realizados, à visão que o governo tem para o sector e ao empenho público em apoiar os mais vulneráveis. Amargo, porque tenho presente as vozes e caras dos vários brasileiros que conheci e com quem falei ao longo dos últimos 10 dias e para os quais o direito humano à água e saneamento ainda constitui uma realidade distante e que ainda vivem na sombra de uma sociedade em rápido desenvolvimento”.

“Eu acredito, contudo, que o Brasil está bem posicionado para fazer ainda mais progressos na realização do direito humano à água e saneamento, sendo dada prioridade às populações mais vulneráveis, pobres e marginalizadas”, sublinhou a relatora.

De 9 a 19 de dezembro, a perita independente visitou Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza e Belém do Pará, onde se reuniu com autoridades federais e locais, organizações da sociedade civil e prestadores de serviço.  Também visitou várias zonas rurais e assentamentos informais, com o objetivo de obter informações em primeira mão relativas aos desafios ainda existentes na realização deste direito humano.

A relatora especial apresentará um relatório abrangente para uma próxima sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, o qual incluirá seu parecer final e suas recomendações para o governo brasileiro.

(*) Confira toda a declaração de fim de missão da Relatora Especial: http://www.ohchr.org/EN/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?NewsID=14127&LangID=E

FIM

Ícone+legenda SSF_RIOpeq