Dialética e Ambiguidade: notas sobre indivíduo e sociedade

Ícone+legenda SSF_RIOpeq

Apresentação

 As ambiguidades dialéticas

 

Indicações paraFicha catalográfica

 Indivíduo e Sociedade em Sociologia Diferencial: Notas Sobre Ambiguidade e Imanência Recíproca  Autor: Jacob J. Lumier  Editor: Bubok Publishing S.L., Madrid ISBN:… Artigo (versão aperfeiçoada) – com notas, bibliografia em referência, sumário e índice remissivo.Abril de 2012, 33 páginas. Produção de e-book: Websitio Leituras do Século XX – PLSV: Literatura Digital http://www.leiturasjlumierautor.pro.br  1. Teoria Sociológica.  2. Metodologia.©2010/2012 by Jacob (J.) LumierTodos os Direitos Reservados

Os fatos sociais exercem sobre os indivíduos uma preeminência psicológica e moral.

Sociólogos notáveis chegaram à compreensão de que o indivíduo volta a encontrar o social igualmente nas profundidades do seu próprio Eu. Os dois termos “indivíduo e sociedade” são de uma ambiguidade extrema que se torna um impasse se nos obstinarmos em considerá-los antitéticos.

As fórmulas da ambiguidade serão postas em relevo na análise sociológica diferencial ao rejeitar não a realidade do indivíduo e da sociedade, mas unicamente o erro inaceitável de que, ao invés de enfocar o indivíduo na sociedade com suas desigualdades, esses termos sejam tratados como entidades exteriores uma a outra.

Neste artigo, além de assinalar com relevo as quatro contra-argumentações ao tratamento equivocado, situaremos os vários resultados da análise sociológica diferencial conforme a especificidade do problema da origem do conflito entre a sociedade e o indivíduo, em três linhas seguintes: (a) origem do conflito em certas ilusões de ótica, (b) origem do conflito no efeito de disparidade, e, finalmente, (c) origem do conflito em montagens inadequadas sobre níveis diferentes da realidade social.

Em conclusão, mostraremos que a aplicação dos procedimentos operativos da dialética sociológica pode levar a apreender todas as sinuosidades efetivas das interpenetrações e dos conflitos sempre relativos, mas sempre possíveis entre o social e o individual.

***

Indivíduo e Sociedade em Sociologia Diferencial:

Notas sobre Ambiguidade e Imanência Recíproca

Jacob (J.) Lumier


Sumário

Apresentação. 7

Ilusões de Ótica. 11

►No começo do século XX. 11

►Na segunda metade do século XX. 12

►Ilusões de ótica e as falsas interpretações. 13

Grupos e Papéis Sociais. 14

As variações de sentido. 16

Modelos e Condutas. 17

►O efeito da disparidade. 18

►Símbolos estandardizados e efervescência. 19

►Montagem dos conflitos. 20

Paralelismo Dialético. 21

►O indivíduo na sociedade. 22

►Os fenômenos psíquicos. 23

As Consciências e os Quadros Sociais. 24

►O social e o individual 26

Índice remissivo. 28

Perfil do autor 29

***

Ilusões de Ótica

Do ponto de vista do realismo sociológico, como se sabe, é importante a riqueza da psicologia coletiva contida nos termos indivíduo e sociedade.

Bem antes do aparecimento da sociologia, o suposto conflito entre a sociedade e o indivíduo relevava de exercícios retóricos aos quais se ligavam as disputas entre as teses individualistas e coletivistas, ou entre as posições contractualistas e institucionalistas.          A sociologia do século XIX deixou-se envolver nessas discussões inócuas em que se tratava do indivíduo ou da pessoa humana, por um lado e, por outro lado, a sociedade ou a coletividade, como se tais termos fossem entidades abstratas, já completamente acabadas e irredutíveis defrontando-se em inexorável e eterno conflito.

Mas essas querelas prosseguiram depois do nascimento da sociologia até o começo do século XX. Daí a exigência de crítica aos erros principais que se trata de eliminar, para evitar sua interferência prejudicial na sociologia diferencial.

No começo do século XX

Em maneira preliminar, se constata haver sido dessas discussões que apareceu a corrente das teorias de compromisso ou de interação (Simmel, Von Wiese, Weber, Mac Iver, e muitos outros).

A essas teorias de interação se opuseram, em França, Durkheim e seus colaboradores; nos Estados Unidos, Cooley e seus seguidores, ambos argumentando que, por irredutíveis aos indivíduos, os fatos sociais exercem sobre eles uma preeminência psicológica e moral.

Vale dizer, em maneira justa, Durkheim e Cooley chegaram à compreensão de que o indivíduo volta a encontrar o social igualmente nas profundidades do seu próprio Eu (constatação esta já em Mauss, Halbwachs, Bouglé) [1].

 Na Segunda Metade do Século XX

Para a sociologia da segunda metade do século XX, o debate a propósito da relação entre o indivíduo e a sociedade foi considerado encerrado. Do ponto de vista dos fatos, não há como continuar a aceitar que se considere a sociedade e o indivíduo como entidades exclusivas e exteriores uma a outra, quando se trata em realidade de elementos impensáveis um sem o outro, cuja vida consiste precisamente em uma participação mútua.

Note-se que, na qualidade de pensamento que representou a muitos sociólogos do século XX, o crédito pelo reconhecimento da participação mútua é atribuído por Georges Gurvitch [2] ao filósofo americano John Dewey, por sua afirmação de que os dois termos indivíduo e sociedade são de uma ambiguidade extrema e que essa ambiguidade torna-se um impasse se nos obstinarmos em considerar os dois termos como antitéticos.

A ambiguidade assim detectada por Dewey em enfoque produtivo liberando-a do falso antagonismo será posta em relevo na análise sociológica diferencial ao rejeitar não a realidade do indivíduo e da sociedade, mas unicamente o erro inaceitável de que esses termos sejam tratados como entidades exteriores uma a outra.

***

Ilusões de Ótica e as Falsas Interpretações

→Em PRIMEIRO LUGAR, a análise enfatiza a sociedade como compreendendo os outros, os Nós, os Eu que equivocadamente se quer opor-lhe, mas que não existiriam sem ela, da mesma maneira em que a sociedade não existiria sem eles. É em razão dessa imanência recíproca que encontramos a sociedade nas profundidades do Eu e encontramos o Eu nas profundidades dos Nós ou da sociedade.

→Em SEGUNDO LUGAR, tendo em conta, ademais da ambiguidade, a imanência recíproca que acabamos de assinalar, o conflito entre a sociedade e o indivíduo se apresenta à análise como o problema da origem deste conflito em certas ilusões de ótica, às quais se juntam falsas interpretações que se tratam aqui de ultrapassar.

O estudo dos conflitos simultaneamente produzidos em os Nós e na sociedade, e a ilusão em tomá-los como conflitos entre a coletividade e os seus membros.

Vale dizer a análise sociológica desenvolvida desde o ponto de vista da imanência recíproca, fundamental na psicologia coletiva, comprova como veremos adiante que os conflitos simultaneamente produzidos em os Nós percebidos como próprios dos sujeitos que os experimentam – os Nós próprios –, por um lado e, por outro lado, igualmente produzidos na sociedade são conflitos que tendem a ser considerados por esses Nós próprios, equivocadamente, como conflitos entre a coletividade e os seus membros.

Grupos e Papéis Sociais

À imanência recíproca do Eu e dos Nós corresponde uma simultaneidade dos fatos sociais conflitantes que se verificam sob o aspecto individual e sob o aspecto dos grupos.

Deste modo, podemos destacar os seguintes casos estudados adequadamente em dialética sociológica:

  •  (a) Análise sociológica da situação humana e social conflitante de produtores e consumidores.

Leia o texto integral em PDF free teclando aqui.


[1] Gurvitch, Georges (1894-1965) et al.: “Tratado de Sociologia – vol.1 e vol.2“, revisão: Alberto Ferreira, Porto, Iniciativas Editoriais, 1964 e 1968.

[2] Ibid, ibidem